Mel de Barroso

MEL DE BARROSO

O “Mel de Barroso” – DOP é produzido pela abelha Apis mellifera iberiensis (sp. Ibérica), nas regiões de cota mais elevada do Barroso. As suas características particulares resultam de um extraordinário manto vegetal, composto maioritariamente de urzes (Erica sp.), que além de proporcionarem um bom desenvolvimento das colónias das abelhas, originam o fabrico de um mel escuro muito apreciado.

A procura deste tipo de Mel é bastante elevada, pois tem inúmeras utilizações, nomeadamente na culinária regional e na acção terapêutica, já que contém uma infinidade de substâncias benéficas para o organismo humano (antioxidantes, vitaminas, aminoácidos, proteínas, …), revelando-se uma óptima fonte natural de saúde.

Todo o mel comercializado pela CAPOLIB é submetido a um rigoroso processamento de análises laboratoriais, tais como as análises polínicas, físico-químicas e de resíduos (sulfonamidas/tetraciclinas, carbamatos/organofosforados).

CARACTERÍSTICAS

Características físico-químicas

As características físico-químicas do “Mel de Barroso” – DOP podem ser resumidas como a seguir se indica:

Humidade < a 18%
Sacarose < a 5%
Açúcares redutores (Frutose/Glucose) > a 65%
Cinzas < a 0,6%
Substâncias insolúveis < a 0,1%
Acidez < a 4 (Cm3 de solução IN/100g de Mel)
Índice diastásico > a 8 na escala de GÖTHE
Hidroximetilfurfural < a 40 mg/kg de Mel
Cor > a 8 na escala de PFUND
Densidade > a 1,4 à temperatura de 20º C
Índice de refracção > a 1,4915 à temperatura de 20º C

 

Características polínicas de uma espécie vegetal dominante a urze

O “Mel de Barroso” – DOP é um mel monofloral, no que se refere à sua origem floral e polínica, e é produzido principalmente a partir de uma espécie vegetal dominante a urze.

CRISTALIZAÇÃO

O nosso mel é uma matéria-prima, obtida dos favos de quadros operculados, com ausência de criação e de abelhas, com tendência natural para cristalizar, especialmente em tempo frio ou quando submetido a baixas temperaturas, o que é garantia da sua pureza e qualidade.

O mel, só poderá ser comercializado no estado fluído (pastoso) ou sólido (cristalizado).

Se pretender pode colocar as embalagens de mel em banho-maria a uma temperatura entre os 30 e 35 ºC, não devendo ultrapassar estes valores, para preservar todas as suas propriedades.

O mel falsificado raramente cristaliza. A cristalização é, portanto, uma garantia de mel puro.

 

ACÇÕES TERAPÊUTICAS
A procura do “Mel de Barroso”- DOP é bastante elevada, porque contém constituintes minerais que lhe conferem inigualáveis propriedades terapêuticas, sendo uma óptima fonte natural de saúde.

Administrado por via oral – O mel cura os transtornos intestinais, as úlceras do estômago e as insónias. Ajuda ainda no tratamento de problemas pulmonares, da garganta, da visão e no tratamento de gastroenterites e também certos problemas do coração. Aumenta o conteúdo de hemoglobina no sangue e o vigor muscular. O mel também é um excelente energético, anti-reumático, vasodilatador, diurético, digestivo, hiperglicémico, anti espasmódico, sedativo, ligeiramente laxante, entre outros.

Administração cutânea – O mel tem propriedades bactericidas, anti-sépticas, cicatrizantes, tonificantes, e ainda cura os enxertos de pele, as queimaduras e as micoses.
Tonifica também e rejuvenesce a pele e os músculos, existindo inúmeros produtos de beleza à base de mel.

O mel tem propriedades antibacterianas, por possuir elevada osmolaridade, acidez e conter a enzima glucose oxidase que produz ácido glucónico (gluconolactano) e peróxido de hidrogénio (água oxigenada).

Glucose + H2O (água) + O2 (Oxigénio) -> ácido glucónico + H2O2 (água oxigenada)

As crianças alimentadas com mel são visivelmente mais desenvolvidas do que as alimentadas com açúcar. O mel facilita a retenção de cálcio, activa a ossificação e a saída dos dentes.

 

Propriedades antioxidantes do mel de Barroso-DOP

O mel é um alimento natural muito rico em antioxidantes, contribuindo ativamente para a diminuição do risco de determinadas doenças, nomeadamente, doença coronária, cancro, cataratas, inflamações e outras patologias. Em alimentos previne a ocorrência de reações oxidativas responsáveis pela sua deterioração como por exemplo, o acastanhamento enzimático de frutas e legumes e oxidação lipídica da carne (Arráez- Róman et al., 2006).

Assim, uma dieta alimentar rica em antioxidantes tem um efeito benéfico para a saúde e também para a conservação de alimentos.

Numa tese de Mestrado em que se avaliou e comparou a atividade antioxidante de várias amostras de mel nacionais com diferentes origens florais e proveniências geográficas, verificou-se que os méis de urze são os que apresentam maior poder antioxidante.

De todas as amostras estudadas o Mel de Barroso-DOP foi o que revelou maior poder antioxidante mesmo comparando com outras amostras de méis de urze, pelos elevados valores obtidos em compostos fenólicos e flavonoides, levando a concluir que este mel tem uma grande quantidade de substâncias benéficas para o bom funcionamento do organismo humano sendo por isso um alimento de excelência para a saúde, pela sua capacidade preventiva de determinadas doenças, já comprovada cientificamente.

 

(Informações retiradas da Dissertação de Mestrado: Avaliação da qualidade do mel: atividade antioxidante, análise polínica e perceção do consumidor de Liliana Ribeiro da FCUP)

CONTROLO DE QUALIDADE

O “Mel de Barroso”- DOP é um produto de qualidade, bastante apreciado pelos consumidores, num mercado caracterizado pela sua enorme exigência no cumprimento de normas, nomeadamente quanto à ausência de resíduos. Para proteger a saúde dos consumidores, os antibióticos e as sulfonamidas estão interditos em apicultura, nos países pertencentes à EU.

O mel produzido nesta região é de excelente qualidade. Mas é importante salientar que a imagem de qualidade e de pureza, associada ao mel, é uma mais valia a preservar por todos, sendo os apicultores os principais responsáveis por tudo que de bom ela tem e tudo o que de negativo a ela se possa vir a associar. Daí, o uso de tratamento homologados e isentos de antibióticos, ser uma prioridade a seguir por todos os apicultores, em nome da preservação dessa imagem de excelência.

LOCALIZAÇÃO

O “Mel de Barroso”- DOP é proveniente de regiões montanhosas, cuja área geográfica abrange os concelhos de Boticas, Chaves, Montalegre, Vila Pouca de Aguiar e duas freguesias do concelho de Murça localizadas acima dos 500 metros (Jou e Valongo dos Milhais).

Esta região peculiar, distingue-se das outras regiões de Portugal, quer pela beleza da sua paisagem natural, verde e equilibrada, quer pela pureza do seu ambiente de montanha.

A actividade do Homem nestas paragens, caracterizou-se, desde sempre pelo equilíbrio com a natureza única forma de garantir o sustento actual e futuro daqueles que aqui sempre habitaram.

As práticas agrícolas aqui utilizadas, de carácter extensivo, aliadas ao emprego das técnicas tradicionais, são em grande parte responsáveis pela beleza e pureza naturais já citadas.

A central meleira está situado no lugar de Carreira da Lebre, freguesia de Beça, concelho de Boticas.